28 de mai de 2018

13 Reasons Why é uma série tóxica?


13 Reasons Why trata-se de uma série que conta a história de Hannah Baker, ou, mais precisamente, do porquê ela se matou. A garota, após cometer suicídio, deixa para trás 13 fitas gravadas contando os motivos que a levaram a fazer o que fez, de certa forma responsabilizando algumas pessoas por fazerem-na sofrer da forma que sofreu enquanto estava viva, levando-a a única opção que ela achava que poderia curar sua dor.
       Os temas abordados na história são de extrema importância, tais como: suicídio, depressão, bullying, assédio e violência sexual, etc., e ainda mais importante que isso, foi a capacidade da série de ter alcançado a quantidade de pessoas que alcançou, principalmente dentre seu público alvo, os adolescentes, levando conversas importantes, antes evitadas, para discussão.
A série foi lançada no dia 31 de março de 2017, baseada no livro escrito por Jay Asher. A adaptação alcançou grandes proporções e se tornou famosa e muito querida por seus espectadores em um curto período de tempo, inclusive levando à confirmação da produção da segunda temporada logo em seguida.
No entanto, como nem tudo são flores, a série também foi duramente criticada ao lançar a primeira temporada e não cumprir precisamente todas as responsabilidades que deveria cumprir como mídia ao abordar assuntos tão delicados, como o suicídio.
De fato, na primeira temporada da série, diversos erros foram cometidos. Apesar de terem colocado avisos antes dos episódios com cenas explícitas de abuso sexual e suicídio começarem, não foi um aviso suficientemente bom para impedir que pessoas sensíveis assistissem. Afinal, tais episódios acontecem apenas no fim da temporada, e ninguém que já tenha se envolvido com a história irá pular esses episódios. O correto seria ter alertado sobre o conteúdo pesado da série antes mesmo do primeiro episódio começar.
Além disso, outro fator importante que devemos considerar das críticas que 13 Reasons Why recebeu em sua primeira temporada, foi o fato de terem mostrado explicitamente Hannah Baker se matando. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde) existem algumas diretrizes importantes que a mídia deve seguir ao abordar o tema suicídio, e não falar ou mostrar explicitamente como uma pessoa se matou é uma dessas diretrizes. Isso se dá pelo fato de existir um fenômeno popularmente chamado de “Efeito Wherter”.
Em uma explicação rápida sobre o fenômeno e a história por trás deste, voltemos um pouco no passado. No ano de 1774, um livro chamado “Os Sofrimentos do Jovem Wherter” foi publicado pelo autor Johann Wolfgang von Goethe. Neste, o jovem Wherter, em um dado momento da história, comete suicídio após a rejeição da mulher que este amava, atirando em si mesmo com uma pistola. Em um determinado período de tempo, começou-se a perceber que o mesmo comportamento estava sendo imitado em certa proporção pelos leitores do livro, fazendo com que a obra fosse banida em diversos lugares. Sendo assim, devido a esse acontecimento histórico, começou-se a pensar a respeito do contágio suicida, que se trata simplesmente de uma onda de suicídios copiados a partir de um que fora amplamente divulgado.
Sabendo então deste fato (que realmente existe, caso estejam se perguntando a respeito da veracidade do mesmo), existem sim formas específicas de se abordar o suicídio na mídia. Coisa que a série, em um primeiro momento, não se preocupou muito em levar a sério.
Outro ponto importante em relação às críticas recebidas no passado, foi a respeito da pouca divulgação de canais que seus espectadores que precisassem do mesmo tipo de ajuda que Hannah precisou poderiam ter contato, como por exemplo, um dos canais que existem aqui no Brasil, o CVV (Centro de Valorização à Vida), que tem o objetivo de te ouvir e estar ao seu lado quando as coisas parecerem difíceis.
De fato, a série, em sua primeira temporada, pecou nesse quesito. Não houve muita divulgação desses canais, mesmo que tenham criado um site a partir da própria série com o objetivo de atender essas demandas (13ReasonsWhy.info).
Outras críticas foram feitas em relação ao fato de acreditarem que a série disseminava mensagens de que a vingança e o suicídio eram a melhor opção, e que faltou deixar mais claro que existem outras maneiras de aliviar a sua dor, outras saídas mais seguras, como pedir ajuda aos familiares e amigos ou procurar por um profissional da saúde. No entanto, em relação a essas críticas em específico, não concordo de fato. Os próprios produtores da série falaram abertamente sobre quais foram seus objetivos ao falar sobre assuntos tão pesados, e ir contra o que os próprios criadores afirmaram pode se dar tanto por uma perspectiva diferente enquanto assistia o conteúdo, quanto por uma simples motivação para detonar a série já baseada em sentimentos negativos individuais em relação a esta.
No entanto, tirando algumas críticas que eu, particularmente, achei que foram desnecessárias ou baseadas em uma má interpretação dos fatos, é evidente que 13 Reasons Why pecou em muitos aspectos e cometeu vários erros em 2017. O que levou seus espectadores a esperar por uma vigilância e uma responsabilidade maior no lançamento de sua segunda temporada.
A segunda temporada foi lançada no dia 18 de maio de 2018. Como já era esperado, a segunda temporada tomou proporções tão grandes quanto a primeira, e com razão. Além de continuar abordando temas importantes da primeira temporada, a segunda trouxe novas discussões, tais como: a justiça em relação ao assédio e violência sexual, o tratamento que mulheres recebem socialmente por terem sido abusadas ou por simplesmente escolherem ter uma vida sexual ativa, o machismo, a importância de falar sobre a violência que se sofreu ou sobre a dor que se sente, relacionamentos abusivos, as responsabilidades da escola em relação ao bullying e aos seus alunos que sofrem com isso, etc.
A segunda temporada da série chegou quebrando tudo, e mais importante que isso: corrigiu todos os erros que cometeu em sua primeira temporada.
E se você tem acompanhado os últimos posts em redes sociais ou artigos escritos pela internet a fora em relação a série, deve estar se perguntando: “se a série teve tantos aspectos positivos nessa segunda temporada, por que exatamente tenho visto tantas críticas dizendo que 13 Reasons Why é uma série tóxica?”. Bom, é a pergunta que tenho feito a mim mesma nos últimos dias.
As críticas são basicamente as mesmas que foram feitas na primeira temporada, acrescentando mais uma: de acordo com algumas pessoas, trata-se de uma série perigosa para pessoas sensíveis e pode ser um gatilho para o suicídio ou o sofrimento destas. Além disso, dizem também que o conteúdo explícito e chocante nada mais é que uma forma de ganhar dinheiro, e não havia necessidade disso.
Se essas mesmas críticas estivessem sendo feitas em 2017, após o lançamento da primeira temporada da série, eu apoiaria. Afinal, como já foi falado aqui anteriormente, 13 Reasons Why pecou em diversos aspectos perigosos para seu público, deixando de cumprir suas responsabilidades como mídia ao abordar assuntos tão delicados. No entanto, essas críticas estão sendo feitas agora, no ano de 2018, após o lançamento da segunda temporada. E com isso, vou explicar o porquê fazer essas críticas à segunda temporada não faz absolutamente NENHUM sentido.
O primeiro episódio da segunda temporada inicia com uma mensagem dos próprios atores da série, falando sobre o conteúdo que seria abordado e como eles não aconselhavam que pessoas sensíveis a este tipo de conteúdo continuassem assistindo. Deixaram claro onde essas mesmas pessoas poderiam buscar ajuda caso precisassem e terminaram com a mensagem: “quando você fala sobre, fica mais fácil”. Abaixo, a transcrição da fala dos atores:

“Oi. Sou Dylan Minnette e interpreto Clay Jensen.
Sou Katherine Langford e interpreto Hannah Baker.
Sou Justin Prentice. Interpreto Bryce Walker.
Sou Alisha Boe. Interpreto Jessica Davis.
13 Reasons Why é uma série ficcional que aborda questões difíceis do mundo real, como agressão sexual, uso de drogas, suicídio e muito mais.
Falando sobre esses temas complicados, esperamos que nosso programa estimule uma conversa.
Mas, se você estiver passando por algum destes problemas, talvez esta série não seja para você ou seja melhor assistir com um adulto confiável.
E, se sentir que precisa conversar com alguém, fale com seus pais, com um amigo, um orientador, ou um adulto em quem confia, ligue para um serviço de ajuda local ou acesse 13ReasonsWhy.info.
Porque quando você fala sobre o problema, fica mais fácil.
Se você ou alguém que conhece precisa de ajuda, para encontrar auxílio, acesse 13ReasonsWhy.info”.








Se você ou alguém que conhece precisa de ajuda, para encontrar auxílio, acesse 13ReasonsWhy.info

Além disso, em todo final de episódio, após os créditos principais dos produtores da série (que dura questão de segundos), o mesmo site criado para ajudar pessoas que estejam passando por problemas semelhantes aos abordados na série aparece.


Nessa temporada, ao contrário da primeira, apenas uma cena de violência explícita é mostrada. E, mesmo antes deste episódio começar, outro aviso sobre o conteúdo do episódio aparece.

O episódio seguinte contém representações gráficas de agressão sexual e abuso de substância, que alguns espectadores podem achar perturbador. É destinado a um público adulto. Critério espectador é aconselhado.

O que eu quero dizer com todos esses fatos? Quero dizer que as críticas voltadas para a segunda temporada não são coerentes. A série cumpriu suas responsabilidades como mídia em alertar seus espectadores sobre o tipo de conteúdo que encontrariam naqueles episódios. Alertou que não era aconselhável que pessoas sensíveis assistissem e deixou mais do que claro onde essas pessoas poderiam buscar ajuda caso precisassem. A partir do momento que a série cumpriu com suas obrigações e você continuou assistindo, a responsabilidade deixa de ser deles e passa a ser sua.
O que mais tenho visto relacionado a essas críticas são justificativas ao afirmar que a série é tóxica utilizando a opinião de pessoas depressivas como base. Não é óbvio que um depressivo verá 13 Reasons Why como uma série tóxica? Como um gatilho? A série não foi feita para que ele assista, e ainda assim, com todos os avisos, ele se propôs a assistir. É claro que essa será sua opinião a respeito da série! Isso significa que a mesma é ruim, deva ser boicotada, retirada do ar e duramente criticada? Não!
13 Reasons Why, como os próprios atores e produtores fizeram questão de ressaltar nessa segunda temporada, não foi feita para que pessoas sensíveis assistam (ou assistam sozinhas). O conteúdo contido na obra não é bom emocionalmente nem mesmo para pessoas “não-sensíveis”, que dirá para as que são! Não me parece lógico seguir a opinião de alguém que obviamente achará a série tóxica para si, de alguém para quem a série não foi feita.
Como já foi ressaltado mais do que o suficiente nesse post, 13 Reasons Why tem o objetivo principal de chocar e conscientizar para questões normalmente não discutidas entre o público popular, fazendo com que esses mesmos assuntos passem a ser pauta principal no assunto deste público. Porque é importante falar sobre isso! É importante retirar esses tópicos da zona tabu. E a partir do momento que você se propõe a basear a importância da série a partir do ponto de vista de uma pessoa da qual não deveria ter assistido essa série devido a sua característica sensível, você está prejudicando essa mesma pessoa. Afinal, ao criticar, você afasta outras pessoas que deveriam estar assistindo a série e se conscientizando sobre a mesma. Você afasta a oportunidade dessas pessoas entrarem em contato com esses assuntos. Você mantém o suicídio, a depressão, o abuso sexual e o bullying na zona de assuntos tabu, ressaltando a ideia de que estes não devem ser discutidos de maneira alguma.
Sendo assim, como devemos responder à pergunta feita no título dessa postagem? 13 Reasons Why é afinal uma série tóxica? Sim, ela é. Ela é uma série tóxica para pessoas depressivas ou sensíveis aos assuntos abordados nesta. É uma série tóxica para pessoas que não deveriam assisti-la. Para outras pessoas que não se encaixam nessas características? Não, 13 Reasons Why não é uma série tóxica. É uma série necessária. É uma série importante. Afinal, quantas outras vocês conhecem que se propõem a falar sobre assuntos tão delicados com o intuito de gerar uma discussão? Quantas outras vocês conhecem que tenham tomado tantos cuidados como essa segunda temporada tomou? Quantas outras vocês conhecem que tenham criado um site de suporte para pessoas que precisam de ajuda? Eu acredito que quase nenhuma.
Portanto, deixo meu apelo: não desmereçam a importância da série levando em conta o ponto de vista de pessoas para quem a série não foi inicialmente feita e que deveriam estar tomando os devidos cuidados para não entrarem em contato com assuntos tão delicados. A importância da série está no fato de gerar uma discussão entre pessoas que não estão cientes sobre as proporções que nossas ações podem tomar em relação às pessoas a nossa volta. Está naquelas pessoas que precisam enxergar a importância de não se tornar um “porquê” na vida de alguém. E a partir do momento em que você desmerece essa importância, você contribui para que esses assuntos continuem sendo um tabu. Você contribui para que mais suicídios aconteçam. Você contribui para que o sofrimento continue em silêncio.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul & Blogger Team