18 de mar de 2016

Os rótulos nos meios de entretenimento


Olá pessoal, tudo bem? No post de hoje trago um assunto que na verdade estou bem cansada de lidar: os rótulos. Eles existem nas mais diversas partes de nossas vidas. Como por exemplo, algumas mulheres são taxadas como putas por terem o livre arbítrio de escolherem se vestir como bem entendem. São desses rótulos que escreverei hoje, mas em um grupo um pouco mais restrito: nos meios de entretenimento. É claro, não todos. Me restringi a escrever apenas dos temas que meu blog normalmente aborda, como os livros, os filmes, as séries de TV e os jogos.
Clique em continue lendo para saber mais.

Rótulos. Julgamentos. Coisas que ninguém gosta que façam consigo, mas estão sempre praticando nos outros. É um círculo vicioso. Todos nós já fizemos isso e passamos por isso. 
“Been there, done that”.
Entretanto, nunca é tarde demais para mudar. Podemos nos permitir a estarmos sempre dispostos a ouvir e absorver a opinião das mais diversas e variadas pessoas, aprendendo a enxergar os julgamentos e os rótulos como algo que deve ser trabalhado e encaminhado para sua extinção. Ao menos, de nós mesmos e de nossas vidas.
Mas, enquanto isso não acontece com tanta frequência e de forma tão satisfatória quanto eu gostaria, infelizmente eles ainda são presentes em nossas vidas de todas as formas imagináveis. Principalmente nos meios de entretenimento, como nos livros, filmes, séries e jogos.
Recentemente eu parei para pensar em uma situação em particular da minha vida e fiz uma descoberta interessante. Normalmente, em grande parte das vezes que pessoas aleatórias descobrem que eu sou apaixonada pelo mundo da literatura e estou sempre lendo, a primeira coisa que me perguntam é: “você gosta de romance? ”.  
Fazer esse tipo de pergunta não seria nenhum problema e incômodo se não acontecesse com tanta frequência. Não seria um problema se todas as pessoas que me veem lendo um livro de um gênero que não seja romance, me perguntassem se tem algum casal envolvido e se eu gosto do romance deles. Não seria um problema se não existisse o rótulo de que mulheres só se importam com homens, namoro, amor e, adivinhem? Romance.
Sim, eu gosto de romance. Diversas garotas gostam de romance. Mas, novidade bombástica: homens também gostam, muitas mulheres não gostam e muitas mulheres não têm o gênero como favorito, assim como eu. Será que é tão difícil pensar dessa maneira antes de abordá-las com perguntas que estão cansadas de responder?
Não estou querendo dizer que a pergunta em si é um questionamento rude e deve ser punido o autor da mesma, antes que me apedrejem. Estou querendo dizer que é preciso pensar e refletir se você não está ligado no automático e esteja reproduzindo tudo o que todos falam. Se certificar de que não esteja reproduzindo um discurso de senso comum e um comportamento julgamental (Sim, essa palavra existe).  
O mesmo comportamento lamentável acontece nos filmes, séries e jogos. Algumas vezes, de forma muito mais radical. Quando você é mulher e o assunto vem à tona em uma mesa de amigos (ou não) de homens ignorantes, algumas dessas situações certamente irá acontecer: 

  • Perguntarão se seus filmes favoritos são os de romance (já esperando que a resposta seja sim) e te esculacharão caso for, dizendo que não gostam de “filme de mulher”;
  • Perguntarão quais séries você assiste, e se for alguma que não gostam ou alguma que não tenha assassinato, carros, putaria e ação, dirão que não assiste “série de menininha”;
  • Perguntarão quais jogo você gosta, e se nenhum jogo de RPG, luta, corrida ou ação não estiver nessa lista, você será ignorada e taxada como a garota que finge ser gamer para agradar aos homens, porque não se enquadra no grupo que realmente define quem é gamer (de acordo com eles, é claro);
  • Caso seus filmes, séries, livros e jogos favoritos forem coerentes com o gosto dele, ele te fará um milhão de perguntas sobre cada um deles afim de descobrir se você realmente gosta e negará até o fim que você está dizendo a verdade, a não ser que você surja com uma maldita carteirinha gamer e enfie no seu... nariz. 

Importante ressaltar que estou citando as atitudes de um babaca, e não de todos os homens no geral.

Tira importante para demonstrar o que estou querendo dizer

E é claro, terão aqueles que dirão que é “mimimi” e que isso na verdade não acontece, mas pergunte a qualquer garota e visite quaisquer páginas de “zoeiros” e verá que digo a verdade.
Explicações e adiantamento de respostas de futuros xingamentos à parte, temos também que ressaltar os rótulos impostos aos homens por uma grande parte das pessoas que gostam de rotular tudo que não seja de seus gostos particulares; em particular, os que leem, assistem e jogam as mesmas coisas que uma parte maior de garotas também lê, assiste e joga.
De acordo com eles, fazer qualquer coisa que um grupo maior de garotas também faz, é sinal de que o homem é gay. É claro, uma parte consciente da nossa geração sabe muito bem que gay não deveria ser considerado um xingamento; mas claramente para eles é, e a forma como abordam a palavra e a utilizam em alguém do tipo acaba se tornando estressante e irritante.
Há também o rótulo para as pessoas que não costumam usufruir de livros, filmes e coisas do tipo que sejam clássicas a antigas, preferindo as mais atuais e famosas. Essas, no caso, são vistas pelos olhos de uma grande maioria, como o tipo de pessoa que só vê o que está na moda. Que só usufrui de coisas que “não tem conteúdo”. Que não é intelectual ou inteligente.
E eu poderia citar os mais variados rótulos que existem nesse mundo do entretenimento em particular aqui por muito mais tempo, mas vou direto ao ponto, pois imagino que já deu para entender.
É muito difícil eu chegar aqui e dizer para que deixemos todos de julgar uns aos outros e rotular tudo a um único padrão. Provavelmente é um dos comportamentos humanos que jamais mudará. Mas, podemos nos controlar. Podemos pensar e refletir sobre nossas ações e mudá-las. Podemos enxergar e admitir nossos erros e aprender com eles.
Não, as garotas não se importam apenas com homem, amor, namoro, casamento e família. Não, as garotas não são obrigadas a gostar do que a maioria gosta e não são menos interessadas no assunto que essas pessoas por esse motivo. Não, não existe “filme, livro, série e jogo de menininha”, existe tudo isso para todo mundo. Não, não são só mulheres que adoram um romance. Não, os homens que gostam do que a maior parte das mulheres gostam não é necessariamente gay, e se fosse, não teria problema algum. Não, as pessoas que não gostam do que você gosta e se interessa por coisas mais atuais e famosas não as faz menos inteligentes ou intelectuais que você.
Parem de rotular tudo. Apenas se divirtam com os mais diversos tipos de livros, filmes, séries e jogos. Compartilhem essa diversão com as mais variadas pessoas. Só por favor, não seja babaca. 

Então é isso pessoal, espero que tenham gostado do post! E se gostaram, deixem o curtir lá em cima ao lado do título (não se esqueçam de confirmá-la) e comentem o que acharam.
Até mais!

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul & Blogger Team