3 de mai de 2016

Resenha/Série: Prison Break (2ª a 4ª temporada)


Olá pessoal, tudo bem? No post de hoje trago a resenha das três últimas temporadas de Prison Break.
Eu havia prometido a mim mesma que escreveria a resenha de uma temporada por vez, mas acabei assistindo todas elas uma atrás da outra então acabei decidindo escrever todas de uma só vez. Sorry, not sorry!
Para conferir a resenha da primeira temporada, clique aqui.
Clique em continue lendo para saber mais.

2ª Temporada






Lançamento: 21 de agosto de 2006
Nº de Episódios: 22
Duração dos episódios: 42 min







Sinopse
Nessa segunda temporada a fuga agora não é mais de uma cadeia, mas sim do país todo, pois agora são fugitivos procurados, tendo suas fotos divulgadas por todo o Estados Unidos, além da Companhia atrás dos irmãos.

Opinião
O que mais me encantou na primeira temporada da série, foi o fato de toda a fuga da cadeia ter sido cautelosamente arquitetada pelo personagem principal, Michael Scofield, e o fato de cada detalhe da tatuagem ter tido sua importância e ter sido utilizado para uma parte do plano de fuga. Eu já tinha consciência de que o restante da série não seria tão encantador quanto a primeira temporada foi, pois a história se alongaria para outros assuntos que não fossem a fuga da prisão, que foi o fator mais interessante e envolvente da primeira temporada.
Entretanto, felizmente, a segunda temporada ainda manteve uma grande parcela desse padrão que tanto me cativou na temporada anterior, e acabou não me decepcionando em quase nada.
No decorrer dos episódios da segunda temporada descobrimos que Michael Scofield é um gênio ainda maior do que pensávamos que ele fosse anteriormente. Descobrimos que seu plano de fuga foi ainda muito mais pensado e arquitetado com extrema maestria, e não só até colocar os pés do lado de fora da prisão, mas também a respeito de tudo que aconteceria após isso; como ele e seu irmão deveriam sumir do mapa e fugir da polícia.
Portanto, os episódios continuam envolventes, a fuga continua sendo um dos fatores principais do enredo que compõe a série, os personagens continuam cativantes e a curiosidade continua atiçada!
Para mim, foi impossível não assistir as duas primeiras temporadas uma seguida da outra, sem parar.  Foi impossível não viciar na série e impossível deixar de pensar e me perguntar o que estava por trás da prisão de Burrows e o que aconteceria no fim de tudo aquilo.
A segunda temporada não foi melhor que a primeira, na minha percepção, mas não deixou de ser tão incrível quanto!
Nota:

3ª Temporada






Lançamento: 17 de setembro de 2007
Nº de Episódios: 13
Duração dos episódios: 42 min







Sinopse
Michael, T-Bag, Mahone e Bellick estão presos em uma prisão chamada Sona. Sara desaparece juntamente com LJ, que estão de reféns de uma agente da companhia chamada Gretchen, pois Michael foi colocado em Sona de propósito, com a missão de fugir de lá com James Whistler, um homem que a companhia quer do lado de fora.

Opinião
Considero a terceira temporada da série a temporada onde tudo muda drasticamente. Onde tudo o que acontece não faz muito sentido em um primeiro momento e demora a fazer.
A Companhia é um fator muito presente nas duas primeiras temporadas, não há dúvidas disso. Porém, apesar de muito presente, era também muito misteriosa e cautelosa ao mostrar sua verdadeira face. A terceira temporada é o ponto onde A Companhia deixa de ser um completo mistério e começa a realmente agir. Esse talvez tenha sido o principal motivo de não ter gostado tanto da sequência da segunda temporada da série.
Penso que essa presença marcante da Companhia talvez tenha sido uma maneira muito desesperada de acelerar a história da série e acabar logo com o mistério. Sempre achei que demorar demais para relatar os fatos de uma série era um fator que acabava estragando toda a história, mas no caso de Prison Break, talvez deveriam ter desacelerado um pouco os fatos e as revelações.
A prisão de Michael, o sequestro de L.J. e Sarah, a aparição de Whistler e todos os planos que A Companhia tinha para os prisioneiros foram acontecimentos muito repentinos e fizeram com que a terceira temporada da série parecesse uma corrida contra o tempo; um fato que não me agradou muito.
Além disso, a mudança drástica de cenário, prisão e personagens também fez com que eu demorasse para me adaptar ao novo estilo que a série havia adotado.
Entretanto, da mesma forma que as duas primeiras temporadas, a terceira continuou com a mesma adrenalina e tensão (até mesmo com um pouquinho mais desses dois elementos). O cenário sombrio da prisão de Sona me intrigou ainda mais que a prisão de Fox River, e mesmo sendo um pouco mais difícil me adaptar a essas mudanças drásticas, continuei assistindo um episódio atrás do outro e continuei com a mesma sede de respostas e de finalmente descobrir o que aconteceria no final e como tudo aquilo se desenrolaria.
Portanto, a terceira temporada da série possui alguns defeitos que me deixaram com um pé atrás, mas felizmente não foram defeitos ruins o suficiente para que me fizessem desanimar e muito menos desistir da série.
Nota:

4ª Temporada






Lançamento: 1 de setembro de 2008
Nº de Episódios: 24
Duração dos episódios: 42 min







Sinopse
Depois de conseguir escapar do inferno de Sona, os irmãos Michael Scofield (Wentworth Miller) e Lincoln Burrows (Dominic Purcell) estão decididos a buscar justiça contra a Companhia, o grupo obscuro responsável por arruinar suas vidas e matar o amor de Michael, a Dra. Sara Tancredi (Sarah Wayne Callies). Durante a busca por vingança, a vida de Michael dá um giro ao descobrir que Sara está viva. Eles sabem que a única maneira de ficarem verdadeiramente livres é encontrá-la e derrotar a Companhia. Com a ajuda de um agente do governo formam uma aliança, junto com outros nomes conhecidos como Mahone (William Fichtner), Sucre (Amaury Nolasco) e Bellick (Wade Williams), que lhes ajudarão nessa missão aparentemente impossível. Para azar dos irmãos, eles também terão que suportar a presença de T-Bag (Robert Knepper), que possui uma pista chave que lhes ajudará a superar esse desafio.

Opinião
A quarta temporada da série é onde finalmente deixamos para trás o que tanto nos encantou nas primeiras temporadas, a fuga de Michael e seu irmão da prisão, e adotamos como enredo principal a revelação dos planos da Companhia e o plano para sua derrubada. É a temporada da qual a adrenalina alcança o seu ápice.
Tudo o que precisávamos saber a respeito da Companhia, seus planos e quem estava por trás de tudo é finalmente revelado na quarta temporada. E, além disso, temos o prazer de ver Michael Scofield armando ainda mais de seus planos grandiosos e os colocando em ação.
O que talvez tenha me deixado bastante animada em relação a última temporada lançada da série, foi o fato de termos finalmente deixado o cenário do Panamá para trás junto com algumas características que não me agradaram em nada na temporada anterior. A volta do antigo cenário das duas primeiras temporadas talvez tenha sido um alívio e um dos motivos que fizeram com que eu gostasse ainda mais da quarta.
Além disso, saber que eu estava finalmente chegando perto das revelações finais e finalmente começando a entender por que tudo aquilo que vinha me deixando curiosa durante a série toda aconteceu, era ainda mais empolgante.
Foi muito fácil fazer, novamente, com que eu assistisse um episódio atrás do outro; principalmente pelo fato de estar chegando ao fim.
Portanto, a quarta temporada da série foi, ao mesmo tempo que um alívio por ter finalmente saído do cenário da terceira, também a volta ainda maior da adrenalina e do vício pelos episódios que eu vinha sentindo antes.
Não é a minha favorita (por motivos de não ser tão encantadora quanto a primeira temporada foi), mas também não é a temporada que menos gosto da série.
Talvez minha opinião tivesse sido completamente diferente se eu tivesse assistido a série antes de saber do seu retorno em 2016 (por motivos de um final muito irritante), mas pelo fato de já saber, fiquei mais aliviada e mais esperançosa.
Estou aguardando ansiosamente a quinta temporada, esperando ainda mais ação, adrenalina e mistério, como Prison Break costuma naturalmente ter em seus episódios!
Nota:

Então é isso pessoal, espero que tenham gostado do post! E se gostaram, deixem o curtir lá em cima ao lado do título (não esqueçam de confirmar) e comentem o que acharam!
Até mais!

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul & Blogger Team