15 de abr de 2016

Resenha/Série: Prison Break (1ª temporada)


Olá pessoal, tudo bem? No post de hoje trago a resenha de uma série que já foi lançada há algum tempo, mas decidi assistir (ou melhor dizendo, devorar) apenas agora: Prison Break.
Eu ignorei diversas indicações da série durante muito tempo e talvez eu não devesse ter feito isso, pois é uma série boa demais para que seja deixada de lado da maneira que eu deixei.
Clique em continue lendo para saber mais!





Lançamento: 29 de agosto de 2005
Criador(es): Paul T. Scheuring
Gênero: Drama, Suspense
Nacionalidade: EUA
Nº de Temporadas: 4 (5ª confirmada para 2016)
Nº de Episódios: 81
Duração dos Episódios: 42 min





Sinopse
Após a prisão de Lincoln Burrows (Dominic Purcell), condenado por um crime que não cometeu, o engenheiro Michael Scofield (Wentworth Miller) bola um plano para tirar o irmão da cadeia. Enviado para Fox River ao lado de Lincoln, Michael começa a executar a sua estratégia, mas logo percebe que está no meio de uma perigosa conspiração. Para garantir a liberdade da sua família, ele precisará enganar a Dra. Sara Tancredi (Sarah Wayne Callies) e se associar a criminosos condenados, como Fernando Sucre (Amaury Nolasco), Theodore 'T-Bag' Bagwell (Robert Knepper) e John Abruzzi (Peter Stormare).

Opinião
Talvez ter demorado tanto para finalmente começar a assistir Prison Break não tenha sido assim algo tão ruim. No momento tenho assistido apenas séries que já iniciei há muito tempo, que já não possuem um objetivo e uma história importante para contar, que estão apenas seguindo o fluxo do sucesso e vendo onde tudo isso deve parar. Estava passando por uma monotonia até mesmo no mundo das séries de TV, onde todos nós sabemos que não é o que deveria acontecer.
Prison Break pode ter aparecido em minha vida no momento certo, e pode também ter sido a minha salvação em meio a tantas séries monótonas e já sem conteúdo. A série é evidentemente arquitetada com maestria para que a história seja contada em um número adequado de temporadas, episódios e para que cada informação utilizada seja importante em algum ponto específico da história. Nada parece em vão. A série tem um foco e um rumo que muitas séries de TV nunca tiveram.
Talvez – e uma chance muito pequena de um talvez – eu esteja me precipitando em elogiá-la dessa maneira depois de ter assistido apenas a primeira temporada e ter recentemente iniciando a segunda. Talvez. Mas sei que existe uma chance muito maior de eu estar correta a respeito da série ter um propósito e contar uma história completa, sem enrolação e sem o único objetivo de ganhar mais dinheiro. A série se destaca em meio a muitas outras nesse, e em milhares de outros aspectos.
Existe tanto para se falar de Prison Break que acaba se tornando uma tarefa muito difícil pensar em por onde começar a descrever o quanto essa série é magnífica. São tantas características incríveis para se observar, estudar e ressaltar que até mesmo receio em esquecer de contar e expor algum aspecto importante sobre ela. Cada detalhe deve ser admirado.
Após a maneira como a série parece ter sido arquitetada, o ritmo dos acontecimentos nos episódios talvez seja a próxima característica a ser destacada.
Uma das tarefas mais difíceis que tive que cumprir durante o tempo em que assistia a primeira temporada foi parar de vê-la para cumprir outras responsabilidades. A dor no coração de ver aquele próximo episódio me chamando e me esperando para assisti-lo era muito forte. Era muito triste ter que cortar toda aquela adrenalina e emoção, guardá-la e deixá-la para depois.
A maneira como eles te prendem aos acontecimentos do episódio e deixam a melhor cena para o final é incrivelmente inteligente. Você se mantém em frente a tela até que todas as suas dúvidas não existam mais e todas as suas emoções como ansiedade, adrenalina, emoção e curiosidade sejam finalmente cessados e todos os seus nervos se acalmem. Quando isso acontece, você percebe que terminou a temporada e precisa saber o que acontecerá na próxima.
Além disso, outra característica que se destaca na série são seus personagens. O elenco não poderia ser outro e a atuação não poderia ser melhor – principalmente a de Wentworth Miller, que interpreta o personagem principal Michael Scofield. Cada ator parece incorporar o personagem de corpo e alma e isso, é claro, torna a série muito mais empolgante de ser assistida. Saber que os atores se empenharam tanto para estarem na pele de seus personagens significa um trabalho e um resultado muito mais que bem feito.
A série também me agradou muito no quesito de mostrar a prisão da forma que ela realmente é sem precisar apelar muito para isso, como já presenciei em muitos filmes que tinham o mesmo tema e cenário. Você não será apresentado a pura violência em todas as cenas de todos os episódios. É claro que não deixa de conter isso, mas a série explora muito mais o lado inteligente e gênio do personagem principal, sua fuga e todos os acordos e situações pelos quais ele deve passar para ter sucesso em seu plano. Além disso, explora também outros aspectos do ambiente como os subornos, a corrupção da própria polícia, as táticas dos prisioneiros para conseguirem o que querem etc.
É importante ressaltar também que a série me propôs a refletir sobre muitas questões morais e sociais quando me foram apresentadas as mais diversas situações como: pena de morte, a prisão de inocentes, o governo e suas armações e os motivos pelos quais alguns dos prisioneiros são presos. Talvez esse não seja um aspecto muito observado e levado tão em conta pelos espectadores, mas é tão importante quanto todo o resto e acho digno de ser relatado também.
Por fim, o que posso dizer resumidamente sobre o que achei da primeira temporada de Prison Break, é que não é uma série a ser descartada de forma alguma. Ela é incrível em todos os sentidos possíveis e se continuar com esse ritmo maravilhoso, pode conquistar o posto de minha série favorita (o que já deve até mesmo ter acontecido).
Não ignorem essa minha recomendação como eu fiz com as recomendações que recebi e deem uma chance a série. Prometo que não vão se arrepender!

Nota:

Então é isso pessoal, espero que tenham gostado do post e espero que tenham ficado curiosos o suficiente para assistirem ao menos o primeiro episódio! Se gostaram, cliquem em curtir lá em cima ao lado do título (não esqueçam de confirmar), e comentem o que acharam!
Até mais!

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Uma das séries mais bem feitas que já assisti. Fiquei fascinado pela trama e amei cada um dos personagens. Ficou ótimo sua resenha, realmente a adrenalina e a emoção tomam conta quando se assiste essa série.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito difícil não se apaixonar por essa série!
      Obrigada <3

      Excluir

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul & Blogger Team