17 de nov de 2015

Como a colonização cultural afeta escritores brasileiros

Olá pessoal, tudo bem? No post de hoje quero comentar sobre algo que está presente nas nossas vidas de todas as formas possíveis, mesmo que não percebamos: a colonização cultural. A colonização em si, é a dominação de um certo país sobre outro, onde ele habita e explora o ambiente dominado de sua própria forma, impondo hábitos relacionados a política, crenças, moral, leis etc. Com isso, temos também a introdução da colonização cultural, onde o país dominador também impõe suas próprias tradições, costumes e todos os hábitos relacionados a arte e entretenimento.
Infelizmente a colonização cultural está sempre presente no nosso dia-a-dia. Desde o momento em que comemoramos Halloween, até então, nos livros. E, assim como toda colonização, a cultural também tem suas consequências; uma delas é a dificuldade que autores brasileiros encontram em alcançar um espaço no mercado, competindo com livros e autores estrangeiros.
Para descobrirem o que eu penso sobre como isso afeta esses escritores, cliquem em continue lendo!

Que a cultura estrangeira está presente na vida de todo brasileiro, não é novidade. Vamos
a shoppings, comemos finger foods, visitamos food trucks, usamos roupas da moda de outros países, comemoramos datas como Halloween, e, por fim, lemos a maior parte dos livros também estrangeiros.
Dizer que esse é um fato ruim seria uma completa hipocrisia da minha parte, já que usufruo também das milhares de coisas estrangeiras que nos cercam, e entre essas, principalmente livros. Como mencionei em meu primeiro vídeo no canal, não sou uma leitora há muito tempo. Comecei minhas leituras no ano de 2011, com a série Harry Potter. É de se esperar que a maior parte dos livros que compõem minha estante façam parte do grupo estrangeiro, já que é essa parte que faz mais sucesso, que é mais divulgada e a que os leitores iniciantes mais tem contato em um primeiro momento. E é exatamente por motivos como esse que autores nacionais ganham cada vez menos espaço.
Ao fazerem extremo sucesso nos países de fora, os livros estrangeiros acabam se tornando uma grande oportunidade lucrativa para editoras brasileiras, que mais cedo ou mais tarde, acabam tomando posse desses livros e os vendendo no Brasil. Também não penso que seja ruim ou errado, já que todos nós precisamos de dinheiro para sobreviver e de estratégias para consegui-lo; entretanto, trazer estes best-sellers internacionais para dentro do nosso país acaba, com certeza, dificultando e limitando a entrada de escritores brasileiros no mercado.
Além disso, a colonização cultural acaba tendo uma grande participação no alastramento
do preconceito que o próprio brasileiro sente em relação a sua cultura, seu país. Todos nós já ouvimos alguém falar que filme nacional “é uma bosta” ou que livros nacionais são chatos. Com isso, a população acaba não acreditando na capacidade dos escritores nacionais, não dando chance para os mesmos provarem seu talento e finalmente entrarem no caminho que os leva a realização do sonho de tornar-se escritor (a). Consequentemente, levando editoras a não investirem o suficiente ou explorarem os autores iniciantes com valores absurdamente altos para o lançamento da própria obra; já que, com a ajuda do “auto preconceito”, o futuro dos escritores brasileiros (iniciantes) e os lucros que eles trarão para a editora de lançamento, é incerto.
É claro, ultimamente, alguns escritores brasileiros tem tomado espaço nas editoras e sendo bastante reconhecidos. É um passo extremamente importante para a caminhada contra o auto preconceito do brasileiro, mas ainda assim, um passo muito curto. Por mais que estejam surgindo diversos best-sellers nacionais, o mercado ainda é limitado, já que uma certa parte é também ocupada por autores já famosos por outros feitos, como
youtubers. Logicamente nada desmerece o esforço de uma pessoa ao escrever um livro, mas acaba se tornando também um fator obstáculo para escritores iniciantes sem muita visibilidade no campo.
Com isso, podemos observar o enorme leque de consequências que uma colonização cultural acaba abrindo a pessoas que estão apenas trilhando seu caminho em busca da realização de um sonho. Algo tão proveitoso e prazeroso como um livro, acaba sendo desprezado por diversos fatores; principalmente por ser brasileiro.
Assim, a maneira mais lógica de ingressar mais livros brasileiros no mercado, é acabando com a grande interferência de outras culturas na nossa individual. Não as proibir e muito menos deixar de usufruir das mesmas, mas também usufruir mais da nossa própria. Dar a devida importância a escritores brasileiros e deixar o preconceito de lado é essencialmente importante para que a literatura brasileira seja mais ingressada no mercado que a literatura estrangeira.
Por mais incrível que pareça para algumas pessoas, os livros e escritores brasileiros são tão bons – e até mesmo, muitas vezes, melhores – que livros estrangeiros. Eu vou tentar provar isso para elas, e vocês?

Então é isso pessoal! Esse post foi como uma forma de desabafo após as dificuldades que tenho passado para publicar meu livro em uma editora, e espero que com ele, eu consiga conscientizar e incentivar pelo menos uma parcela dos meus leitores a usufruírem, também, dos livros brasileiros. Clássicos, estrangeiros, romances, aventuras, brasileiros... todas essas características não deveriam ser motivo para preconceitos fúteis. Basta.
Se você gostou do post, clique em curtir lá em cima ao lado do título. Comente também o que achou e qual sua opinião sobre o assunto.
Até mais!

Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. É bem por ae Amanda, falta um incentivo pro pessoal que tá começando agora (se existe eu não sei, mas não está muito explícito nas mídias se há). Confesso que só a pouco tempo estou consumindo literatura nacional.(tenho 31), não sou um devorador de livros pra me arriscar a recomendar nomes aqui, mas do pouco que vi, gostei.
    Só pra encerrar, Sim! Temos capacidade como qlqr outra nação para entregar um conteúdo de qualidade ou de entretenimento em folhas de papel, o problema é tudo isso que vc mencionou mesmo. Mas eu tenho fé, que mesmo sendo esses vlogueiros lançando livros, podem ajudar a quebrar a barreira do preconceito para com nossa amada literatura brazuca. Foi um ótimo texto Amanda. Obrigado mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também espero que possamos um dia quebrar essa barreira de preconceito e convencer o povo brasileiro de que livros nacionais são tão bons quanto estrangeiros. Convencê-los de que o povo de sua nacionalidade também é capaz de qualquer coisa!
      E eu é que agradeço <3

      Excluir
  2. É realmente difícil para os autores brasileiros competirem com com os estrangeiros no espaço editorial, e os que conseguem, geralmente, escreveram livros com alguma temática estrangeira, americanizando até o nome dos personagens. Tenho procurado ultimamente editoras menores e autores nacionais menos falados para conhecer.
    não tenho preconceito quanto a gênero literário, mas me incomoda o fato de alguns youtubers terem livros publicados, escritos por ghost writters e fazerem sucesso.
    Beijos!

    http://caindonacultura.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente! Uma certa vez, quando mandei meu livro para uma pessoa avaliar, ela disse que os nomes, os lugares e os acontecimentos estavam "brasileiros demais" e que precisava "americanizar" um pouco. Fiquei chocada com o comentário, mas ignorei e continuei na minha linha brasileira, que é o que eu sou!
      Também me incomoda um pouco o fato de youtubers terem livros publicados. Com certeza, concordo que qualquer um é capaz de escrever seus próprios livros e do gênero que quiserem, mas todos nós sabemos que não é por amor a escrita, e sim uma maneira de ganhar mais dinheiro. Não generalizando, apenas penso que alguns são assim... e com isso, acabam tirando o espaço que uma pessoa que realmente ama escrever, gostaria de ocupar.
      Beijos!

      Excluir

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul & Blogger Team