15 de jul de 2015

Resenha/Livro: A Marca de Atena


Olá pessoal, tudo bem? No post de hoje venho com a resenha de um livro que estou lendo já a bastante tempo mas só recentemente consegui terminá-lo: A Marca de Atena, terceiro livro da saga Os Heróis do Olimpo de Rick Riordan. Estou bastante feliz com o rumo que tomou essa leitura em comparação com o segundo livro e tenho bastante coisa para contar nessa resenha. Espero que gostem!







Título Original: The Mark of Athena
Autor: Rick Riordan
Editora: Intrínseca 
Ano: 2012
Páginas: 480





Sinopse
 Annabeth está apavorada. Justo quando ela está prestes a reencontrar Percy - após seis meses afastados por culpa de Hera -, o Acampamento Júpiter parece estar se preparando para o combate. A bordo do Argo II com os amigos Jason, Piper e Leo, ela não pode culpar os semideuses romanos por pensarem que o navio é uma arma de guerra grega: afinal, com um dragão de bronze fumegante como figura de proa, a fantástica criação de Leo não parece mesmo nada amigável. Annabeth só pode torcer para que os romanos vejam seu pretor Jason na embarcação e compreendam que os visitantes do Acampamento Meio-Sangue estão ali em missão de paz.
Os problemas de Annabeth não param por aí - ela carrega no bolso um presente da mãe, que veio acompanhado de uma ordem intimidadora: Siga a Marca de Atena. Vingue-me. A guerreira já carrega nas costas o peso da profecia que mandará sete semideuses em busca das Portas da Morte. O que mais Atena poderia querer dela?
O maior medo de Annabeth, no entanto, é que Percy tenha mudado. E se ele já estiver habituado demais aos costumes romanos? Será que ainda precisará dos velhos amigos? Como filha da deusa da guerra e da sabedoria, Annabeth sabe que nasceu para liderar; no entanto, também sabe que nunca mais vai querer viver sem o Cabeça de Alga.

Opinião
Para início de conversa esse livro me deu uma injeção de ânimo em relação ao segundo. Enquanto eu lia O Filho de Netuno eu realmente não via a hora de terminar. Muitos fatores me levaram a não dar cinco estrelas para o segundo livro da série, como o fato de eu ter lido em edição econômica, o que me incomodou muito; o fato de eu ter demorado muito mais para ler por conta de responsabilidades; o fato de não me acostumar com o novo ambiente, os novos personagens; o fato de tudo estar acontecendo extremamente devagar e entre outras características que não me agradaram tanto. Eu não estava nem um pouco animada para ler A Marca de Atena, já imaginando o quão ruim poderia ser. Entretanto, me surpreendi.
Já no início da minha leitura percebi que estava gostando bem mais que o anterior. O fato de Rick ter reunido todos os personagens (finalmente) desde o início foi algo ótimo e totalmente agradável na minha leitura. Eu gosto de todos os personagens, e mesmo que de alguns eu goste mais, pra mim eles precisam sempre estar juntos para que isso se torne algo fácil e mais divertido de ler; e foi o que aconteceu nesse livro.
Além disso, o fato de eu ter sentido nostalgia ao ler esse livro foi um ponto positivo. A nostalgia que eu senti estava ligada à primeira série que originou Os Heróis do Olimpo: Percy Jackson e os Olimpianos. Para se ter uma pequena noção, Percy Jackson e os Olimpianos é a minha segunda série favorita de livros e eu amei cada segundo de cada leitura. Se esse livro me trouxe lembranças e saudade da minha segunda série favorita, logicamente ele estava sendo ótimo.
A história desse livro não ficou totalmente centrada nos acampamentos, na descoberta de identidade de semideuses com amnesia e nem mais nada que me desagradou nos dois primeiros livros. A história desse livro ficou centrada na aventura, no mistério e na relação entre os personagens para conseguir resolver seus problemas juntos.
A trama é carregada de ação e aventura do começo ao fim, o que eu estava sentindo falta desde que comecei a série. É claro, os dois primeiros livros não deixaram de ter ação, mas nenhum deles conseguiu chegar ao nível de empolgação, ritmo e mistério que esse livro conseguiu chegar. Eu não conseguia parar de ler e me sentia extremamente triste ao ter que deixá-lo de lado para fazer outras coisas. Rick Riordan descarregou todo o mistério nas primeiras páginas e apenas os desenvolveu no final. E não, isso não é um fator negativo, já que o livro todo é trabalhado na ligação de cada mistério entre si, entre os personagens e entre a missão principal. Cada final de capítulo te plantava uma dúvida ou uma ansiedade por saber o que aconteceria em seguida, te fazendo segurar o livro durante horas sem parar! E é claro, um livro que te transmita essa sensação é um livro digno.
A relação entre os personagens é incrível! Apesar de algumas coisas terem me desagradado no decorrer da história, na maioria das vezes eu consegui rir, me divertir e ficar totalmente apaixonada por cada um dos personagens; até um pouco mais do que eu já era! Tanto que, já na minha primeira leitura com experiência em marcações com post-its, lotei cada frase que me fez rir ou que simplesmente achei que merecia ser lembrada. Algumas foram muito inúteis e desnecessárias, mas simplesmente marquei porque me agradaram.
Sem objeção alguma, esse livro até agora é o melhor. Apesar de ter alguns fatores negativos bem sérios como muitos erros de português no decorrer do livro, mas nada que eu não conseguisse perdoar e ignorar, pelo bem da minha leitura e do meu prazer.
Muito mais carregado de mistério, diversão, humor, amizade, amor, aventura, batalha, poderes, trabalho em equipe e muitas outras coisas, esse livro conseguiu me animar em relação a série depois de ter ficado um pouco desapontada ao ler o segundo livro. Esse livro foi a injeção de ânimo que eu precisava para não desistir dessa série e continuar a lê-la até o fim.
Tio Rick sempre surpreende, nunca perde o ritmo e nunca perde o espaço no meu coração. 

Spoilers
Como já mencionei, gostei do livro já nas primeiras páginas por motivos de: reunião de todos os personagens. Mas é óbvio que uma reunião em especial: Percabeth. Alguém ainda tem dúvida de que eles são o melhor casal de todas as séries? Eu não!
Eu esperei por esse momento durante os dois primeiros livros e não consegui muito mais que nada. E finalmente nesse livro eu pude voltar a desfrutar do romance que mais gosto entre todas as séries; e é claro, eu não poderia estar mais feliz.
Mas, apesar desse meu ship em especial, gostei muito do fato de ver outros casais finalmente juntos de verdade, como Frank e Hazel e Piper e Jason. (Ainda tenho esperanças de que aparecerá alguém para o Leo, apesar de achar que ele é muito mais engraçado e “Leo” sem uma companhia, mas enfim). O fato de Rick ter adiantado um pouco dos romances me deixou um pouco mais relaxada, pois eu acho que não suportaria ter que ler os cinco livros para ver rolar ao menos uma pegada na mão como aconteceu em Percy Jackson e os Olimpianos.
Romances a parte, a história também me intrigou desde o início. Tanto o lado de Annabeth, com A Marca de Atena, quanto o lado de Leo quando descobri que ele disparara sobre Nova Roma, quanto o lado de Piper, que escondia as visões que via na adaga. Cada pequeno mistério se desenvolveu lentamente, mas em um ritmo bom o suficiente para me incentivar a continuar lendo sem perder um pingo da minha vontade de descobrir a verdade.
Em alguns momentos tive a sensação de que alguns personagens estavam aparecendo e sendo desenvolvidos muito mais que outros, mas não passou de uma sensação. Todos os personagens são bem desenvolvidos, mas cada um em seu próprio tempo. Cada um tem sua parte, seu poder e suas habilidades em especial em uma missão em especial, o que me deixou bastante animada por manter o equilíbrio e manter a importância de todos em destaque, e não apenas de alguns.
Como já citei, o livro é repleto de ação e aventuras, e cada uma delas me trouxe uma sensação diferente. As missões que envolviam Leo me faziam rir, as missões que envolviam Piper me deixavam tensa, as missões que envolviam Annabeth me faziam pensar, as missões que envolviam Percy me faziam rir e ficar animada e etc. Cada uma das missões, cada uma das aventuras e cada mistério presente em cada página me trouxe uma sensação diferente, mas em geral, animação, ansiedade e sede por mais!
Além disso tudo, o fato de Rick dar um pouco mais de atenção para Annabeth e Piper me deixou um pouco mais feliz. O fato das personagens serem filhas de deusas das quais não costumam ter muito poder as fez ficarem um pouco mais apagadas no decorrer de todos os livros. É claro, Annabeth tem sua inteligência e isso é nitidamente mostrado em todos os livros em que aparece; entretanto não era como se o autor desse muita importância pra isso na minha opinião. E o fato de Annabeth ter uma missão em especial com A Marca de Atena, de ter enfrentado seu pior medo e conseguido escapar de uma maneira tão simples e incrível (o que com certeza foi a única parte em que eu não esperava o que fosse acontecer e me surpreendi pela armadilha para Aracne ter relação com algo tão estúpido quanto uma algema chinesa) fez com que eu me empolgasse ainda mais com a personagem. Quanto a Piper, seu poder e sua voz continuam me surpreendendo cada vez mais, mudando completamente minha opinião sobre Afrodite.
Por fim, depois de muitas missões que logicamente não entrarei em detalhes por serem complexas, detalhadas e longas, temos o fim, que foi algo que não me surpreendeu mas me deixou com raiva. Não me surpreendeu pelo fato de (de novo!) ter recebido spoiler através de fanpages de Percy Jackson no Facebook. Vi algum post onde dizia que Percy e Annabeth estariam no Tártaro, e assim que Annabeth percebeu que abaixo da caverna onde se encontrava com Aracne havia um abismo que a levava para o Tártaro, já liguei as peças e pensei “eles vão cair lá dentro”. Apesar de achar fofo os dois terem caído juntos, me fez imaginar o que estará por vir. Me fez imaginar que novamente ficarei sem meus dois personagens preferidos na próxima leitura, então não me animou muito.
Mas de qualquer forma, A Marca de Atena me deixou animada, e assim que eu voltar a ler a série, com certeza irei até o fim. 

Personagens
Minha relação com os personagens foi como uma montanha russa. Em alguns momentos eu tinha raiva, em outros eu me divertia e em outros apenas os amava.
Desde o início eu desconfiei sobre todos os sete semideuses estarem em uma viagem juntos. Pensei: “é claro que isso vai dar errado. Alguma coisa sempre tem que dar errado”. E é claro que tiveram alguns problemas, algumas intrigas que não apoiei, não gostei e não engoli, mas nada que fosse tão trágico quanto eu achei que fosse.
Os principais focos de desconfiança que tive foram Percy e Jason, Frank e Leo, que praticamente foram os pequenos problemas de toda a série.
Desde o início imaginei que Percy e Jason demorariam para se acostumar com a imensidão de poderes um do outro e para se acostumar que ambos são tão poderosos quanto o outro. Imaginei que teriam problemas assim como Percy teve problemas com Thalia, que também é filha de Zeus. E não estava errada. Ambos ficavam se provocando, se cutucando e se evitando o livro todo e isso me incomodou muito. Se tivessem percebido que juntos são mais antes do final do livro, eu teria apoiado a amizade dos dois desde o início. Mas... Não se pode ter tudo na vida.
Já com Frank e Leo o caso foi um pouco mais irritante. Até entendo porque os dois não se davam bem, mas quando leio livros espero não encontrar algo tão irritante assim. As brigas, as indiretas e as implicações me deixaram bastante irritada no decorrer da história, e assim como Jason e Percy, demoraram muito tempo para perceberem que juntos eram mais poderosos e brigar não ia levar a nada.
Já com o restante dos personagens, as meninas, mantive uma relação neutra. Meu amor cresceu por cada uma delas. Piper sempre me surpreendendo, Hazel, com sua ingenuidade me conquistando sempre mais, e é claro, Annabeth, que pra mim, é como se fosse minha amiga, continuou me agradando durante toda a história, sem me decepcionar nenhuma vez.
Não que eu não tenha me divertido com os outros e os amado assim como amei as meninas, é claro que não! Dei MUITA risada com Leo, me diverti MUITO com Percy, e adorei Frank e Jason se mostrando capazes de muito mais. Eu adorei cada um dos personagens, sem nenhuma exceção. Apenas achei desnecessárias as rixas entre alguns deles.
Bom, como já deu para notar, achei o livro muito mais bem trabalhado nos personagens que os dois primeiros foram. Cada um deles teve seu espaço e sua parte especial na composição da história e da missão, e cada um deles teve seu momento estrela, mostrando sempre um pouco mais de suas habilidades e do que são capazes.
Eu adorei a relação entre eles e adorei como Rick trabalhou bem na história e na composição dos personagens dentro dela. 

Capa
Dessa vez não foi pelo fato de ter demorado para terminar o livro que a capa não me agradou, mas simplesmente pelo fato de eu ter achado ela um pouco esquisita. As cores parecem não combinar com a batalha mostrada na capa e aquela coruja ali atrás acabou quebrando bastante o clima. Sei que o foco da história é Atena e coruja é o animal da deusa, mas de qualquer forma achei que poderiam fazer um pouco melhor nessa arte. Ela não é feia, apenas esquisita. Gosto dela, mas está longe ser minha preferida. 

Marcações
Como essa é a minha primeira vez utilizando post-its para marcar minhas citações favoritas, decidi compartilhar com vocês! Espero que se divirtam tanto quanto eu com algumas delas. 
"A boa sorte é uma impostura. A roda da fortuna é uma fraude. O verdadeiro sucesso exige sacrifício."
"- Pelo deuses do Olimpo. - Piper olhou para Leo. - O que aconteceu com você?
Ele estava com o cabelo penteado para trás com gel, um par de óculos de solda na testa, uma marca de batom na bochecha, tatuagens nos braços e uma camiseta que dizia IRADO, BAD BOY e TIME LEO."
"Ela sentou-se, grogue. Leo abriu a porta e enfiou a cabeça na cabine, os olhos cobertos com as mãos - o que teria sido um gesto educado se ele não estivesse espiando entre os dedos. 
- Você está vestida?
- Leo!"
"- Lorde Baco, lembra-se de mim? Eu o ajudei com o leopardo desaparecido em Sonoma. 
Baco coçou o queixo com a barba por fazer. 
- Ah... sim. John Green?
- Não, Jason Grace."
"- Frank! - As orelhas de Annabeth estavam vermelhas como morangos. - Só viemos aqui conversar. Adormecemos. Acidentalmente. Só isso
- Nos beijamos algumas vezes - falou Percy. 
Annabeth o fuzilou com os olhos. 
- Isso não ajuda!
- É melhor... - Frank apontou para as portas do estábulo. - Hã, vamos nos reunir para o café da manhã. Vocês podem então explicar o que fizeram... quer dizer, não fizeram? Quer dizer... Não quero que aquele faun... quer dizer sátiro... me mate.
Frank saiu correndo."
"- É, o MAPA EM CHARLESTON - disse Frank bem alto, dirigindo a Percy um olhar arregalado para se certificar de que ele também tinha percebido; ele teria disfarçado melhor se tivesse erguido uma placa grande com a palavra PISTA!!!!!!"
"Ela estremeceu. Adorava aquela arquitetura. As casas e jardins eram muito bonitos, muito romanos, mas ela se perguntou por que coisas bonitas tinham que ser maculadas por fatos históricos terríveis. Ou seria o contrário? Talvez a história terrível tornasse necessário construir coisas bonitas, para mascarar os aspectos mais sombrios."
"- Hércules, é? - Percy franziu a testa. - Aquele cara parece o Starbucks da Grécia Antiga. Para onde quer que você olhe, lá está ele."
"Sempre que Percy ia até lá para ver a namorada, ela estava tão perdida em pensamentos que a conversa se desenrolava mais ou menos assim: 
Percy: "Ei, como está indo?"
Annabeth: "Hã, não, obrigada."
Percy: "Certo... você já comeu alguma coisa hoje?"
Annabeth: "Acho que Leo está de plantão. Pergunte a ele."
Percy: "Então, meu cabelo está pegando fogo."
Annabeth: "Tudo bem. Daqui a pouco." "
"- Como você sabe disso? - perguntou Hazel. 
- Sou brilhante." (sim, eu ri disso.)
"Leo resistiu ao impulso de incendiar a mão e gritar: Muá há-há! A ideia parecia engraçada, mas ele não era tão cruel assim" (parte que mais ri do livro. Se você não leu a série não irá entender então não me julgue e não me ache retardada por isso.)
"Piper puxou Jason para mais perto e o beijou. 
- Eu amo você."
"- Vamos ficar juntos - prometeu ele. - Você não vai escapar de mim. Nunca mais. 
Só então ela compreendeu o que iria acontecer. Uma viagem só de ida. Uma queda muito alta!
- Desde que a gente fique junto - disse Annabeth."

Nota: 

Então é isso pessoal! Espero que tenham gostado e espero que leiam a série assim como eu, e não desistam dela se não estiverem gostando de algum dos dois primeiros. Vale a pena continuar por esse livro.
Não vou continuar a ler a série agora por conta de alguns livros de vestibular que preciso ler e também pelo fato de estar um pouco cansada de séries, mas assim que essa fase passar irei voltar para a leitura e fazer resenha o mais rápido possível.
Até mais!

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Minima Color Base por Layous Ceu Azul & Blogger Team